Álvaro dias – wikipédia, a enciclopédia livre gas cap light

Nasceu em Quatá, no interior de São Paulo, [4 ] mas foi criado em Maringá. Álvaro foi radialista naquela cidade. Entretanto, foi em Londrina, onde formou-se em História pela Universidade Estadual de Londrina. Carreira política Período Pré-88

Em 1984, foi organizador [8 ] do primeiro grande comício realizado em Curitiba pelas Diretas Já, [9 ] que ocorreu em 12 de janeiro de 1984 [10 ], com palanque montado na praça Osório na região da Boca Maldita, [11 ] que fica localizada no centro de Curitiba. [12 ]

Em 1986, foi eleito governador do Paraná. Nessas eleições, o PMDB elegeu os governadores de todos os estados, com exceção de Sergipe. [13 ] A campanha de Dias utilizou os serviços da produtora de vídeo do cineasta Fernando Meirelles, que assim se referiu a experiência:

Ficamos chocados com o nível de baixaria, a começar pelos pagamentos, que eram feitos em dinheiro vivo, sem nota fiscal. […] Uma vez, o coordenador da campanha simulou a invasão de seu próprio escritório e pediu que gravássemos, denunciando, como se fosse uma invasão feita pelo candidato concorrente. Foi a gota d’água. Nossa equipe se recusou a fazê-lo e criou um impasse. Num clima péssimo, terminamos o contrato. É preciso ter estômago de avestruz e um caráter muito flexível para lidar com políticos. […] Decidimos nunca mais fazer política na vida. [14 ]

Em 1989, disputou (com Ulysses Guimarães, Waldir Pires e Iris Rezende) e perdeu as prévias para ser o candidato do PMDB à presidência da República. Se desfiliou do PMDB e se juntou ao PST. Após a extinção deste, se filia, em 1994, ao PP e perde as eleições para o governo do estado, obtendo 1.455.648 votos (cerca de 38,55%), [15 ] contra para Jaime Lerner, que obteve 2.070.970 votos (54,85%). Período Pós-88

No segundo semestre de 2015, Álvaro Dias desfiliou-se do PSDB, partido onde permaneceu por mais de dez anos, para entrar no PV, assim almejando concorrer para presidente nas eleições de 2018. [25 ] Porém em julho de 2017, anunciou sua saída do partido e filiou-se ao Podemos (PODE), antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN). [26 ]

Em 2009, foi noticiado que Álvaro Dias era um entre ao menos quatro senadores que utilizaram a cota de passagens aéreas pagas pelo Senado para propiciar viagens ao exterior para parentes e amigos. Dias havia autorizado a emissão do maior número de passagens internacionais entre os senadores identificados à época, 8, para destinos no Uruguai e Argentina. [32 ]

Em agosto de 2016, votou a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Dias afirmou que há pressupostos político e jurídico para o afastamento, e este também seria o desejo da população. [34 ] Posteriormente afirmou também ser favorável ao impeachment do então vice-presidente Michel Temer, e assim justificou sua decisão:

“O Tribunal de Contas da União já reconheceu que houve esse ato do vice-presidente, quando estava interinamente no cargo, em 2014. Agora pedi que o TCU avalie o mesmo em relação a dois decretos assinados por Temer em maio e junho deste ano”. [35 ]

Em outubro de 2017, votou contra a manutenção do mandato do senador Aécio Neves, [38 ] mostrando-se favorável a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo do qual Aécio é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista. [39 ] Posicionamentos

Em 2013, se posicionou contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37/2011, conhecida por PEC 37, que pretendia retirar do Ministério Público e de outros órgãos o poder investigatório, concedendo exclusividade às Polícias Federal e Civil. [40 ] A PEC foi considerada pela sociedade civil um retrocesso no combate a corrupção, sendo inclusive uma das pautas dos Protestos no Brasil em 2013. [41 ] [42 ]

Em 2016, se posicionou contrário à anistia ao caixa 2, o que chamou de "malandragem" e "escárnio". Em pronunciamento lamentou as articulações políticas para anistiar quem se beneficiou de caixa dois eleitoral. [43 ] Essa manobra, segundo o senador, vem ocorrendo durante a análise do pacote de combate à corrupção, proposto pelo Ministério Público. [43 ] Alvaro Dias também lembrou que o Código Eleitoral tipifica a prática de caixa dois, o que derruba a tese dos que não o consideram um crime. Além disso, afirmou que, para haver anistia, é preciso que isso esteja previsto na legislação. [43 ]

Em 22 de março de 2018, defendeu a prisão em segunda instância, entendimento vigente do Supremo Tribunal Federal, desde 2016. [44 ] A prisão em segunda instância é vista por procuradores e juízes como um combate à impunidade. [45 ] [46 ] Álvaro Dias ainda apresentou em 2017 uma proposta para tornar o entendimento um projeto de lei. [47 ]

Em maio de 2018, afirmou em um evento que "o Brasil hoje não está dividido entre esquerda e direta, está dividido entre os honestos e os ladrões da República que assaltaram o país". Dias disse que a administração pública do País foi desarrumada por incompetentes e corruptos. "Nossa missão é arrumar o Brasil. Vamos buscar coesão e unidade." Álvaro Dias ainda defendeu que as reformas do sistema federativo e tributária serão as prioritárias em um eventual governo de seu partido à frente do País. [48 ] Cargos ocupados