Estômago – wikipédia, a enciclopédia livre tgask

#

O estômago, nos humanos, é um órgão digestivo em forma de bolsa, situado entre o esôfago e o duodeno. Encontra-se situado por debaixo do diafragma, no lado esquerdo do abdómen. Apresenta duas comunicações: uma superior chamada cárdia, que o comunica ao esôfago e outra inferior, chamada piloro, que o comunica ao intestino delgado. O estômago tem duas classificações, uma cirúrgica e uma anatômica, em sua classificação cirúrgica ele é subdividido em cárdia, fundo, corpo, antro, piloro, curvatura menor, curvatura maior, face anterior e face posterior. O estômago em sua classificação anatômica é dividido em uma porção vertical chamada trituradora, e uma porção horizontal chamada evacuadora.

É no interior do estômago que se encontram as glândulas gástricas que produzem o suco gástrico. No estômago, o suco gástrico é envolvido nos alimentos em digestão, através dos movimentos peristálticos, e o bolo alimentar é transformado em quimo. Inicia-se aí a digestão das proteínas, pois esse suco contém muitas enzimas, dentre essas está a pepsina, que é responsável pela digestão das proteínas.

O adjetivo gástrico refere-se ao estômago. Assim, a retirada cirúrgica do estômago ou parte dele chama-se gastrectomia. A colocação de tubos no estômago através do abdômen chama-se gastrostomia. A modificação do estômago chama-se gastroplastia. Anatomia do estômago humano [ editar | editar código-fonte ]

O estômago repousa entre o esôfago e o duodeno (a primeira porção do intestino delgado). Ele está no lado esquerdo da cavidade abdominal. O topo do estômago (conhecido como fundo) repousa contra o diafragma. Abaixo do estômago se encontra o pâncreas e o omento maior, que se pendura na "curvatura maior".

Em humanos, o estômago tem um volume de cerca de 50 mL quando vazio. Depois de uma refeição, ele geralmente se expande para suportar cerca de 1 litro de comida, [3 ] mas ele pode expandir até 4 L de fato. Porções [ editar | editar código-fonte ]

• Artérias: As artérias que vascularizam o estômago são ramos do tronco celíaco artéria gástrica esquerda e artéria gástrica direita (vascularizando a curvatura menor), artéria gastro-omental esquerda e artéria gastro-omental direita (vascularizando a curvatura maior) e as artérias gástricas curtas (vascularizando o fundo do estômago).

A artéria gástrica esquerda se anastomosa com a artéria gástrica direita formando assim o Arco Arterial da Curvatura Menor do Estômago. A artéria gastroepiplóica esquerda, assim como na curvatura menor, se anastomosa com a Artéria Gastroepiplóica Direita formando o Arco Arterial da Curvatura Maior do Estômago.

• Veias: As veias que drenam o estômago são paralelas as artérias, sendo que as veias gástricas esquerda e direita irão drenar diretamente para a veia porta hepática, enquanto as veias gastr-omental esquerda e direita junto as veias gástricas curtas drenam inicialmente para as veias esplênicas que ao unir a veia mesentérica superior desembocará na veia porta do fígado [4 ]

É vulgar supor que os ácidos presentes no estômago o manteriam imune a agentes infecciosos, porém, muitos estudos apontam para que a Helicobacter pylori seja o agente responsável pela maioria dos casos de gastrite crónica, úlceras gástricas e cancro do estômago (nos casos de adenocarcinoma e linfoma MALT – tipo específico de linfoma da mucosa do estômago). Recentemente, descobriu-se outra Helycobacter presente em vários casos de gastrite. Pesquisas científicas já se encontraram a estudar uma vacina – tão ansiada pela comunidade médica – para debilitar este tipo de bactéria. Estômago em Ruminantes [ editar | editar código-fonte ]

A característica principal dos ruminantes é o consumo de fibras (celulose e hemicelulose) obtidas das gramíneas (poáceas) e das leguminosas, e como não possuem um sistema enzimático dotado de celulase, estes necessitam de um conjunto de micro-organismos que façam a digestão da celulose. Estes organismos são bactérias e protozoários celulíticos, que fermentam as fibras e produzem ácidos orgânicos (acetato,butirato e propionato) que são assimilados, assim como, estes organismos são fonte de proteína e de vitaminas para os ruminantes.