Galegos – wikipédia, a enciclopédia livre gas after eating red meat

####

O organismo estatístico oficial da Galiza é o Instituto Galego de Estatística (IGE). Segundo o grupo, em 2008 a população total foi de 2 783 000. As línguas oficiais são o galego e o espanhol. O conhecimento da língua espanhola é obrigatório [3 ] de acordo com a Constituição espanhola e praticamente universal. Quanto ao galego, após muitos anos de declínio, devido à pressão do espanhol e da perseguição estatal, o estudo do galego vem crescendo, devido às políticas favoráveis às línguas regionais e ao apoio popular. Atualmente, aproximadamente 82% da população da Galiza fala galego e cerca de 61% da população o têm como língua materna. Cultura [ editar | editar código-fonte ]

A similaridade entre as culturas portuguesa e galega é marcante e perceptível, a ponto de muitos estudiosos não identificarem uma divisão nítida entre os dois povos irmãos. No que tange ao idioma, por exemplo, sabe-se que as línguas portuguesa e galega compartilham uma origem comum relativamente recente no galego-português e muitos linguistas ainda consideram o galego e o português contemporâneos como dois dialetos de uma mesma língua, corrente na qual se insere o movimento reintegracionista.

Com base em tais semelhanças, as relações culturais entre Portugal e a Galiza têm-se vindo a fortalecer nos últimos anos e este movimento histórico de reaproximação já produz frutos concretos, refletindo-se nomeadamente no reconhecimento por parte da UE do Patrimônio Imaterial Galego-Português e na disseminação de ideias e correntes como o reintegracionismo e o conceito de Portugaliza.

Entretanto vertentes mais ortodoxas e tradicionais, as quais afirmam que o galego é um idioma mais antigo que o português, têm uma postura diferente, considerando que o português é uma mistura do galaico-português medieval, miscigenado aos dialectos árabes que se usavam no território português ao sul da Península Ibérica, e portanto, idioma de mesma raiz, mas distinto do galego. Migrações [ editar | editar código-fonte ]

Como outras regiões da Península Ibérica, a Galiza tem sido um paradigma da emigração em massa. A emigração galega foi notável para outras partes da Espanha, Portugal, Europa e América do Sul. Ao contrário de outras regiões espanholas ( País Basco e Catalunha) – mais ricas e urbanizadas –, a Galiza manteve-se relativamente fraca, dominada pela agricultura e vilas rurais. Além do mais, o seu sector agrícola continua a ser um dos mais atrasados em Espanha. Por essas e outras razões, a Galiza era um exportador de mão de obra para o resto da Espanha. Entre 1900 e 1981, a saída líquida de pessoas da Galiza foi mais do que 825 000 pessoas. Na realidade, a cidade com o segundo maior número de população galega é Buenos Aires, na Argentina, onde imigração da Galiza era tão maciça que todos os espanhóis são agora conhecidos como gallegos (em espanhol, galegos). Durante o governo Franco houve uma nova onda de emigração da Galiza a outros países europeus, nomeadamente França, Suíça e Reino Unido. Descendentes [ editar | editar código-fonte ]

O gentílico "galego" é atribuído em certas regiões brasileiras a pessoas brancas de cabelos e olhos claros, observando-se que os galegos são de origem fisicamente algo diferentes dos ibéricos meridionais, [5 ] e na Galiza há de facto uma percentagem de louros algo maior por causas históricas. Também houve uma grande mestiçagem dos descendentes de galegos no Brasil e outros países do mundo. Pessoas famosas de origem galega [ editar | editar código-fonte ] Esportistas [ editar | editar código-fonte ]

O organismo estatístico oficial da Galiza é o Instituto Galego de Estatística (IGE). Segundo o grupo, em 2008 a população total foi de 2 783 000. As línguas oficiais são o galego e o espanhol. O conhecimento da língua espanhola é obrigatório [3 ] de acordo com a Constituição espanhola e praticamente universal. Quanto ao galego, após muitos anos de declínio, devido à pressão do espanhol e da perseguição estatal, o estudo do galego vem crescendo, devido às políticas favoráveis às línguas regionais e ao apoio popular. Atualmente, aproximadamente 82% da população da Galiza fala galego e cerca de 61% da população o têm como língua materna. Cultura [ editar | editar código-fonte ]

A similaridade entre as culturas portuguesa e galega é marcante e perceptível, a ponto de muitos estudiosos não identificarem uma divisão nítida entre os dois povos irmãos. No que tange ao idioma, por exemplo, sabe-se que as línguas portuguesa e galega compartilham uma origem comum relativamente recente no galego-português e muitos linguistas ainda consideram o galego e o português contemporâneos como dois dialetos de uma mesma língua, corrente na qual se insere o movimento reintegracionista.

Com base em tais semelhanças, as relações culturais entre Portugal e a Galiza têm-se vindo a fortalecer nos últimos anos e este movimento histórico de reaproximação já produz frutos concretos, refletindo-se nomeadamente no reconhecimento por parte da UE do Patrimônio Imaterial Galego-Português e na disseminação de ideias e correntes como o reintegracionismo e o conceito de Portugaliza.

Entretanto vertentes mais ortodoxas e tradicionais, as quais afirmam que o galego é um idioma mais antigo que o português, têm uma postura diferente, considerando que o português é uma mistura do galaico-português medieval, miscigenado aos dialectos árabes que se usavam no território português ao sul da Península Ibérica, e portanto, idioma de mesma raiz, mas distinto do galego. Migrações [ editar | editar código-fonte ]

Como outras regiões da Península Ibérica, a Galiza tem sido um paradigma da emigração em massa. A emigração galega foi notável para outras partes da Espanha, Portugal, Europa e América do Sul. Ao contrário de outras regiões espanholas ( País Basco e Catalunha) – mais ricas e urbanizadas –, a Galiza manteve-se relativamente fraca, dominada pela agricultura e vilas rurais. Além do mais, o seu sector agrícola continua a ser um dos mais atrasados em Espanha. Por essas e outras razões, a Galiza era um exportador de mão de obra para o resto da Espanha. Entre 1900 e 1981, a saída líquida de pessoas da Galiza foi mais do que 825 000 pessoas. Na realidade, a cidade com o segundo maior número de população galega é Buenos Aires, na Argentina, onde imigração da Galiza era tão maciça que todos os espanhóis são agora conhecidos como gallegos (em espanhol, galegos). Durante o governo Franco houve uma nova onda de emigração da Galiza a outros países europeus, nomeadamente França, Suíça e Reino Unido. Descendentes [ editar | editar código-fonte ]

O gentílico "galego" é atribuído em certas regiões brasileiras a pessoas brancas de cabelos e olhos claros, observando-se que os galegos são de origem fisicamente algo diferentes dos ibéricos meridionais, [5 ] e na Galiza há de facto uma percentagem de louros algo maior por causas históricas. Também houve uma grande mestiçagem dos descendentes de galegos no Brasil e outros países do mundo. Pessoas famosas de origem galega [ editar | editar código-fonte ] Esportistas [ editar | editar código-fonte ]